Cuidados com idosos diabéticos precisam ser conhecidos por quem será responsável pelo acompanhamento diário desse tipo de pessoa.

A diabetes é uma doença que envolve um hormônio chamado insulina e sua regulação. Na diabetes, o corpo não produz insulina suficiente ou não responde à insulina que produz da maneira habitual. Como resultado, a pessoa tem níveis elevados de açúcar no sangue.

A doença afeta cerca de uma em cada cinco pessoas com idade acima de 65 anos. Os adultos mais velhos podem desenvolver diabetes tipo 1 (dependente de insulina) ou tipo 2 (não dependente de insulina). No entanto, a maioria das pessoas idosas com diabetes tem tipo 2.

Inicialmente, o paciente pode controlar a diabetes mudando sua dieta e hábitos de exercício. No entanto, o idoso pode eventualmente precisar tomar comprimidos ou insulina – mesmo que tenha diabetes tipo 2. Conversar com o médico sobre quais os medicamentos contra diabetes serão os indicados para o tratamento é um ponto importante.

Seguir uma dieta adequada é somente um dos pontos que precisam ser seguidos pelo cuidador do idoso com diabetes, o conhecimento é a arma mais importante para exercer a função com sucesso.

Na velhice, o diabetes está associado a complicações adicionais de saúde, incluindo o costume hipocondríaco, dor crônica, quedas, demência, incontinência  e depressão, além de complicações vasculares tradicionais. Portanto, o atendimento de pessoas idosas com diabetes é um desafio.

Diagnóstico e apresentação clínica

O diagnóstico de diabetes é semelhante em todos os grupos etários. No entanto, em até 50% dos idosos, pode não haver sintomas óbvios da doença. Os sintomas também podem ser pouco específicos, entendidos como doença geral, cansaço ou falta de energia, e podem ser atribuídos ao envelhecimento, levando ao atraso no diagnóstico. Uma mudança na memória ou uma queda inexplicável pode ser o primeiro sintoma do diabetes.

Portanto, a verificação de sinais de diabetes em pessoas idosas deve ser considerada em todas as oportunidades disponíveis, por exemplo: no hospital, na casa de repouso ou em uma consulta com um clínico geral nos cuidados de rotina.

Os casos de demência, hipoglicemia e fragilidade aumentam em pessoas idosas com diabetes e, se não tratados, podem levar a um ciclo vicioso de deterioração da capacidade física. Portanto, além dos cuidados de rotina com o diabetes, relevantes para os mais jovens, deve-se ter uma consideração especial para abordar essas complicações únicas em pessoas idosas.

A diabetes na velhice pode estar relacionada com um grave declínio na capacidade física. As principais causas incluem:

  • perda de massa muscular;
  • neuropatia periférica (lesão do nervo nos pés e nas mãos);
  • acidente vascular cerebral,
  • depressão;
  • hipoglicemia;
  • demência;
  • fragilidade e doença vascular periférica (má circulação sanguínea).
  • Outros sinais podem incluir uma amplitude limitada de movimento nos ombros e menos força e sensação na mão que poderiam levar a uma menor capacidade de realizar tarefas normais do dia-a-dia.

 

Caso não se sinta preparado há a possibilidade de contratar um profissional experiente para os cuidados com seu ente.

A Keep Home é uma agência de cuidador de idosos que conta com profissionais capacitados para cuidar bem de seu ente querido, localizada no Rio de Janeiro. Visite nosso site e conheça nossos serviços!

 

 

 

1 responder
  1. Edna
    Edna says:

    Nossa! Adorei essas dicas sobre os cuidados com idosos diabéticos. Minha mãe, infelizmente sofre desse problema e este artigo me ajudou muito! Muito obrigada 🙂

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *